Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Escrita sem sentido nenhum

É o nome mais justo, porque na verdade não tem sentido nenhum só uma grande vontade de escrever sobre o meu dia a dia, filhos, marido, isto de ser mulher, de estar longe dos meus, das saudades, dos bons amigos, das coisas simples...

Escrita sem sentido nenhum

É o nome mais justo, porque na verdade não tem sentido nenhum só uma grande vontade de escrever sobre o meu dia a dia, filhos, marido, isto de ser mulher, de estar longe dos meus, das saudades, dos bons amigos, das coisas simples...

23.Ago.17

#194 Até amanhã

No meu rico mês de Agosto várias pessoas da minha família fazem anos. Sobrinho, primas, filha, mãe e ainda o meu avô. É um mês cheio de festa, se estivéssemos todos perto era lindo, era um bolo de aniversario semana sim, semana sim (lá se ia a minha espécie de dieta).

 

No ano passado quando a minha Inês comemorou os 4 anos ficou muito triste porque não estava cá a avó C. ( a minha mãe), a minha mãe como super avó que é, prometeu que no ano seguinte estaria no aniversario dela, e assim foi, para felicidade dela. 

Embora este ano não tenha havido festa de aniversário. Decoramos a casa, fizemos surpresas, mas nada de festa, com jantar , sobremesa e corte do bolo. A preguiça, o facto de ser Agosto e a maioria das pessoas estar de férias, tudo junto, foi o motivo da não festa. 

Sinceramente acho que ela estava super feliz, acho não, tenho a certeza, ela fez um vídeo no fim do dia a agradecer-nos porque adorou o dia de anos. Crianças felizes, pais felizes. 

 

Ontem fui levar a minha mãe ao aeroporto de manhã, o Kiko adormeceu a caminho do Porto, a I. aguentou-se, adormeceu na volta,  queria despedir-se da avó. 

 

Tem "piada" ( não tem piada nenhuma) que até as crianças arranjam defesas quando estão longe da família. E a I. é toda família.

 

Quando tenho de me despedir digo até amanhã, custa-me menos.

 

Ela quando estávamos a voltar , disse-me : " Eu gostava que avó ficasse, mas não faz mal, já sei que tem de ser assim". E continuou a falar comigo como se nada fosse.

 

Não sei se fiquei mais triste, ou se fiquei admirada com a naturalidade dela em relação a despedida...

 

A noite perguntei-lhe se não tinha ficado triste porque a avó foi embora, disse-me que sim, mas que este ano a avó tinha vindo ao aniversário dela e ela estava feliz por isso.

 

Perspetivas , cada um com a sua...

 

Edna Morais*