Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escrita sem sentido nenhum

É o nome mais justo, porque na verdade não tem sentido nenhum só uma grande vontade de escrever sobre o meu dia a dia, filhos, marido, isto de ser mulher, de estar longe dos meus, das saudades, dos bons amigos, das coisas simples...

Escrita sem sentido nenhum

É o nome mais justo, porque na verdade não tem sentido nenhum só uma grande vontade de escrever sobre o meu dia a dia, filhos, marido, isto de ser mulher, de estar longe dos meus, das saudades, dos bons amigos, das coisas simples...

30.Jun.15

#67 Benfica de hoje

Ir a Lisboa é cada vez mais estranho para mim, sinto-me desenquadrada, sinto-me turista, os 22 anos que vivi lá parece que fugiram.

Nos primeiros anos quis muito voltar, hoje não me imagino a viver noutro sitio com a minha família sem ser no sitio onde vivo.

No sábado fomos ao Colombo, parecia uma barata tonta, já não percebo nada daquilo. Lembro-me quando o Colombo abriu, era adolescente andava sempre lá enfiada. Quando tinha 21 anos cheguei a trabalhar no Continente como reforço de Natal em part-time. Sabia andar por lá, sabia os cantinhos todos, agora já não.

A cidade onde cresci, Benfica, esta diferente, finalmente acabaram a Cril, existem novas estradas, novos acessos, novas lojas, as Portas de Benfica estão modernas.

O Luis tem o habito de fazer um tour pela sua terra quando vamos visitar os pais dele, para ver o que mudou.

Desta vez fui eu, quando saímos do casamento, fui ao bairro onde vivi até aos meus 17 anos, há anos que não ia lá.

Morava na Venda nova, na Rua Marquesa de Alorna, pertence a Amadora, mas era um saltinho até Benfica, por isso era a Praça- mercado - de Benfica que íamos, a Mata de Benfica brincar quando estava calor.

Passei na rua onde morava, aonde era a nossa casa agora é um jardim. Passei pela drogaria aonde comprávamos tudo quando éramos pequenos, tinha de tudo. Na mercearia do Sr. Carlos, na padaria aonde comprávamos pão, adorava as carcaças com manteiga planta, na minha escola primaria que ia a pé.

É sempre bom lembrar-mo-nos de onde vimos.

Da próxima vez que for ao Lisboa vou visitar a minha casa/jardim.

Edna Morais *




30.Jun.15

#66 Sobrevivemos

Sobrevivemos a primeira viagem a 4, um fim de semana que mais pareceu 1 semana fora de casa.

Na 6ª feira fomos para Lisboa e voltamos ontem. Fomos ao casamento do meu amigo David mais conhecido por Mokas.

Tudo o que pensei que podia acontecer com o Francisco não aconteceu, foi uma paz de alma.
Dormir, dormir, dormir, foi a palavra de ordem para o F. , sujou menos bodies do que o esperado, mas os babetes não chegaram.

Sábado fomos ver o tio, os primos, o meu avô João, os meus tios. A mana mais velha ao fim do dia vomitou algumas vezes. No domingo de manhã, acordou cansada mas bem disposta, ponderamos não ir ao casamento, mas como não voltou a vomitar lá fomos e correu tudo bem.

Vimos o Mokas a casar - Que sejas muitooooooo feliz!!! É o que te desejo hoje e sempre.

Fiquei com a lágrima no canto do olho, vi os meus amigos, passei o dia com o totó do meu irmão, não dancei porque não sei dançar, tiramos fotos para mais tarde recordar.

Ontem arrumamos as trouxas e voltamos para casa. Quando cheguei a casa e vi o meu sofá, parecia ter visto um pote de ouro no fim do arco-íris.

Home sweet home.

Edna Morais *



26.Jun.15

#65 Agridoce

Um sentimento agridoce, acho esta musica linda, quando a oiço dou por mim e já caiu uma lágrima.

O refrão tem algo triste e bonito ao mesmo tempo, vá se lá perceber...




Bom fim de semana

Edna Morais *
22.Jun.15

#64 3 Meses

Os dias passam a correr.

Estas enorme, és simpático, calmo.

Criamos uma rotina, todos dias lá vamos os dois a fisioterapia, vais fazer "ginástica" ao pescoço, primeiro a mamã ficou com o coração pequenino, depois da primeira sessão o coração acalmou.

Portas-te tão bem, achei que te ia custar muito e tu até sorris.

Já queres palrar.

A mamã é a tua musa - como diz o papá - estas sempre a procura dela, é o teu porto seguro.

3 meses a aprender como ser mãe de dois, a aprender a viver os 4.

3 meses do meu segundo amor "pequeno".

Parabéns pequenino!!!

Edna Morais *




21.Jun.15

# 9 Domingar - Almoço de domingo

Domingo com muito calor, Luís trouxe trabalho para casa, Francisco ainda muito bebé para irmos a praia e a Inês brinca no quarto com o seu bebé que deu o nome de Luís.

Faço um almoço a condizer, rápido e sem esforço porque o calor é muito, acompanhado de salada - obrigatório cá em casa no Verão.

Sobremesa : Fruta.
Pêssegos, cerejas e ameixas.

Pus a mesa na cozinha, gosto de comer na cozinha, é raro comermos na sala.

Tudo muito bem, todos na mesa, F. no carrinho, a I. já tinha comido a sopa. A I. com a teimosia natural de uma criança da idade dela cisma em beber água do meu copo. Em segundos, cai o copo.

Partiu-se.

Grita a I. , chora o Francisco com o susto, começa a I. a chorar, o L. a dizer cuidado, eu a agarrar no F. para acalma-lo.

F. calmo - adormece - , I. chorona a pedir desculpa porque partiu o copo, L. a limpar a cozinha, o almoço a ficar frio.

Lá se foi o almoço de domingo a volta da mesa, acabamos os dois a almoçar no sofá.

Eu tentei, fica para semana.

Edna Morais *






19.Jun.15

#62 - 25 anos

Gasto mais dinheiro no telemóvel do que queria.

Existem os novos tarifários incluídos com  net/tv etc, mas não estou para desbloquear o meu telemóvel.

Passando a frente...

Vi  a nova publicidade da Yorn, lá vou eu ver o tarifário.

Agrada-me - penso eu - ,  até ver as letras pequenas.

Tarifário para utilizadores até 25 anos inclusive.

Quem é que tem 25 anos???

Senti-me velha

Amuei....

Edna Morais *



18.Jun.15

#61 Banda sonora

No inicio da semana liguei o meu ipod esquecido no carro, é ouvir relíquias atrás uma das outras. Hoje foi esta, toque do meu telemóvel quando eu e o Luís namorávamos e estávamos a km de distancia.

Lembrei me de tanta coisa... fiquei com a lágrima no canto olho - sim, sou lamechas. 

Edna Morais *




17.Jun.15

#2 Os 30 - Não parece nada!

Na semana passada, estava com o Francisco ao colo a falar com uma pessoa e a conversa rapidamente me levou a falar da Inês, a senhora ficou com um ar assustado.

Perguntou-me logo a idade. Disse que tinha 30 anos. 

Ela disse que não parecida nada - pensei espero ouvir isso daqui a 10 anos- pareceu aceitar melhor a ideia de eu ter 2 filhos. 

Esta semana, quando estamos em casa, a campainha esta sempre a tocar e de vez enquando lá aparece alguém para nos vender algum serviço de televisão, desta vez era da Nos. 

Vou a correr abrir a porta, o F. estava no meu colo, o rapaz estava a falar das campanhas, aparece a I.
e ele pergunta com o mesmo ar assustado da senhora : - São os dois seus filhos?

Só me apetecia rir, ok não pareço ter 30 anos mas também não pareço ser menor de idade.

Respondi que sim. Ficou a olhar com aquele ar a pensar coitadinha.

No fim atrapalhado deixou me 3 canetas 1 para mim e uma para cada um dos meus filhos. 

Edna Morais*



Pág. 1/3