Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Escrita sem sentido nenhum

É o nome mais justo, porque na verdade não tem sentido nenhum só uma grande vontade de escrever sobre o meu dia a dia, filhos, marido, isto de ser mulher, de estar longe dos meus, das saudades, dos bons amigos, das coisas simples...

Escrita sem sentido nenhum

É o nome mais justo, porque na verdade não tem sentido nenhum só uma grande vontade de escrever sobre o meu dia a dia, filhos, marido, isto de ser mulher, de estar longe dos meus, das saudades, dos bons amigos, das coisas simples...

28.Mai.15

#47 Fazes o que gostas? - O trabalho ideal

Levantar de manhã, feliz e contente realizada com o meu trabalho, não é bem assim, infelizmente não  é isto que acontece.

Apesar de nem tudo ser perfeito, agradeço o facto de estar empregada.

Encaro o meu trabalho como sustento, o meu contributo, meu ganha pão.

Trabalho a quase 8 anos numa loja de roupa, aprendi a gostar, mas não amo. Dá me cabo  da carteira isso sim. Andamos sempre a namorar as roupas, os acessórios da nossa loja e das outras.

Gosto das mudanças de colecção, de abrir as caixas com roupa nova, dos clientes simpáticos que atendemos na boa e sentimos empatia, dos dias bem dispostos com os colegas, das amigas que ganhei.

Não gosto da música alta, dos saldos - muita confusão, muita falta de respeito pelo outro, muito trabalho -, de inventários, de carregar caixas de roupa

Trabalhar numa loja de roupa não é tão fácil como parece, mói e não é pouco.

Antes disso trabalhei numa creche 4 anos, gostei era engraçado, sentia me uma criança grande - responsável claro - a tomar conta das crianças pequeninas.

Quando penso no que gostaria de fazer...

Gostava de ter uma livraria, aonde se pudesse tomar  um café e comer uma boa fatia de bolo caseiro e folhar um livro ao mesmo tempo.
Ou uma pousada de turismo rural, receber, cuidar, viver com calma.

Sonhar não custa, quem sabe daqui a uns anos...

Edna Morais *




2 comentários

Comentar post