Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Escrita sem sentido nenhum

É o nome mais justo, porque na verdade não tem sentido nenhum só uma grande vontade de escrever sobre o meu dia a dia, filhos, marido, isto de ser mulher, de estar longe dos meus, das saudades, dos bons amigos, das coisas simples...

Escrita sem sentido nenhum

É o nome mais justo, porque na verdade não tem sentido nenhum só uma grande vontade de escrever sobre o meu dia a dia, filhos, marido, isto de ser mulher, de estar longe dos meus, das saudades, dos bons amigos, das coisas simples...

29.Nov.20

Escrever porque?

Escrever porque?

Porque as letras não olham para mim com pena, tristes, preocupadas, assustadas , sem saber o que dizer por causa da noticia que me deram.

Noticia com nome feio e complicado.

Nome que muitos como eu (a cerca de dois meses) não sabia bem e ainda não sei a sua dimensão.

Nome que pesquisei a medo para não me assustar, para não confundir a informação que me era dada por quem sabia mais e melhor do que eu.

Hoje já percebo mais um bocado a razão do medo , da preocupação e sinto mais na pele, sinto mais conscientemente, porque dizem as más línguas que ela já me acompanha a cerca de 8/7 anos.

Hoje sei que o cansaço tinha nome, as dores as vezes estranhas, o estar com tonturas principalmente no verão.

Em Setembro quando ela resolveu apresentar-se, fez em grande, numa semana em que me sentia como já não me sentia a muito , apesar destes tempos loucos que vivemos.

Sentia-me calma, tranquila, feliz por ter conseguido encaixar uma rotina mais calma, para este ano atípico que vivemos. E deitei-me assim tranquila, no dia acordei com sensação de formigueiro, e pelo que parece vai fazer parte da minha vida as vezes .

Escrevo porque , as vezes escrever faz-me sentir bem, não escrevo a espera de aprovação sem ser a minha.

Hoje escrevo porque preciso de não sentir nenhum olhar.

Escrevo porque tenho uma companhia para a vida, e estou a conhece-la.

Hoje escrevo porque soube a cerca de 2 meses que tenho Esclerose Múltipla.

 

Edna Morais